as coisas que conta um português que anda pela Rússia
Domingo, 24 de Agosto de 2008
A GUERRA A PAZ E A OSSÉTIA DO SUL

Passaram-se cerca de 16 anos desde os tempos em que as guerra separatistas na Geórgia tinham gerado um enorme número de vítimas e de desalojados. Não obstante o tempo, as situações não se conseguiram normalizar. Da Abkházia tinham sido expulsos praticamente todos os georgianos que lá viviam, depois de uma vitória militar dos abkhazes, com um certo apoio russo e com a ajuda de aventureiros e guerrilheiros, inclusivamente alguns comandantes da guerrilha Chechena que se vieram a tornar famosos mais tarde (ex. Chamil Bassaev). O facto é que a Geórgia não conseguiu resolver o problema dos desalojados (os números oficiais rondam os 200 mil) e muitos continuam ainda em alojamentos precários, escolas, edifícios públicos e hotéis que, com o tempo se deterioraram, tornando cada vez pior a vida dos desalojados da Abkházia. Na Ossétia do Sul, o quadro era um bocado diferente. Houve um grande número de desalojados devido à guerra (91/92), mas sobretudo ossetas, que foram para a Ossétia do Norte (Federação da Rússia). Muitos destes não voltaram porque as condições e as perspectivas de vida na Ossétia do Norte eram melhores. De qualquer forma, muitos têm parentes dum lado e do outro das montanhas do Cáucaso. Numa das viagens que fiz a Tbilissi, em 2002, tive a ocasião de entrevistar um deputado que era vice-chefe da comissão parlamentar para a defesa, Zviad Mukbaniani. Referindo-se à Ossétia do Sul, Mukbaniani comentava que “ali é muito diferente da Abkházia. Nós podemos ir lá livremente. Os ânimos não estão exaltados como na Abkházia, ao ponto de odiarem a Geórgia e os georgianos.” Era uma das situações em que o separatismo político não impedia uma vida mais ou menos normal a ossetas e georgianos. Mas, nos últimos anos as coisas mudaram. Mikhail Saakachvili tinha prometido recuperar a integridade territorial da Geórgia. Por outro lado as relações com Moscovo deterioraram-se muito depressa. A lista dos motivos de “atrito” seria demasiado longa para este espaço, mas pode-se resumir de forma um bocado simplista que a Geórgia passou de uma “zona de influência russa” a uma zona de “influência norte-americana”. Os motivos de atrito nas regiões separatistas também foram aumentando, chegando várias vezes a trocas de tiros de dimensões reduzidas. Nos últimos anos houve uma aposta forte do governo de Tbilissi em melhorar a capacidade das forças armadas, o que foi apoiado pelos EUA e pela NATO. Na minha opinião, as autoridades georgianas foram adquirindo a convicção de que poderiam recuperar os territórios separatistas pela força (algumas vezes afrimaram-no). No fundo, era o que a Rússia tinha feito com a Chechénia. Foram colocadas tropas georgianas nas proximidades da fronteira administrativa da Abkházia e da Ossétia do Sul. De vez em quando, ambas as partes acusavam a outra de “provocações”. Tblissi nomeou “governos no exílio” para ambas as regiões separatistas. Numa entrevista recente, o embaixador norte-americano em Moscovo afirmou que Washington tinha insistido para que Saakachvili não se deixasse levar pela tentação de intervir pela força. Admitindo a sinceridade das palavras do diplomata, parece-me no entanto que, com os factos, ou seja com o armamento, instrutores militares, etc., os EUA foram convencendo Saakachvili de que poderia conseguir. Depois do que aconteceu, já ouvimos vozes de pessoas autorizadas da NATO e dos EUA a garantir que vão ajudar a Geórgia a refazer a sua capacidade militar. Será para tentar outra vez resolver os separatismos pela força?
            Certamente que a entrada militar russa na Geórgia foi desproporcionada. Vencido o poder militar georgiano deram-se às exibições de “músculos” para fazer ver que faziam o que queriam. Já dos exemplos da Chechénia sabemos que o exército russo não é muito disciplinado nem muito preciso, com os custos inerentes para a população civil. No entanto, o apoio quase total ao governo de Tbilissi, por parte dos países Ocidentais, pode aumentar a tensão na região. A Rússia poderá (algumas afirmações de pessoas autorizadas leva a crer que seja assim) reconhecer a independência da Ossétia do Sul e da Abkházia, mais não seja, invocando a posição de muitos outros países no caso do Kosovo. Aí as coisas ficam politicamente complicadas.
            Saakachvili acusou alguns países europeus de terem culpas no que aconteceu, por não terem admitido a Geórgia na NATO, já em Maio. É claro que quando as coisas correm mal têm que se dar as culpas sempre a alguém, mas o que é que o presidente georgiano quer dizer com isso? Se a Geórgia fosse membro da NATO, não me parece que ele se sentiria menos “seguro de si” para atacar Tskhinvali. E depois? A Rússia iria ficar quieta para não se meter com a NATO. E se não ficasse? A NATO iria ficar quieta para não se meter com a Rússia. E se não ficasse? É melhor não continuar porque depois não ficava cá ninguém para contar como tinham sido as coisas. O que eu quero dizer é que me parece que há uma grande irresponsabilidade na maneira como a NATO tem dado apoio à Geórgia, com os problemas que tem por resolver e com o regime que tem. Corre-se o risco de, em vez de a NATO dar garantias de poder manter a paz, com o seu apoio, acaba por dar motivações para que um seu membro (presente ou futuro) se sinta forte para ir provocar uma guerra.
            O Cáucaso tem uma série de situações complexas. O trabalho importante a fazer seria convencer as várias partes em litígio que devem sentar-se à mesa e começar a dialogar. Demorarão o tempo que for preciso. Tomar partidos em conflitos étnicos deixa pouca margem para se ter razão.

            O Cáucaso tem ainda uma agravante em relação aos Balcãs, que tantos problemas já deram. É corredor de passagem para o petróleo e (no futuro próximo) o gás do Cáspio, e talvez (também no futuro) da Ásia Central. Este factor cria urgências e interesses que, frequentemente, não ajudam a encontrar soluções razoáveis.



publicado por edguedes às 17:18
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

VICTOR HUGO PONTES NO "IN...

RÚSSIA E POLÓNIA DEPOIS D...

RE-START

"SHAKHIDKA"

AINDA ATENTADOS

METROPOLITANO DE MOSCOVO ...

METROPOLITANO DE MOSCOVO ...

METROPOLITANO DE MOSCOVO ...

RECOMEÇAR

ASSASSÍNIO DE SACERDOTE C...

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds