as coisas que conta um português que anda pela Rússia
Sábado, 27 de Outubro de 2007
A PROPÓSITO DA VISITA DE PUTIN A PORTUGAL

 Uma questão que intriga muita gente, não só em Portugal, como em quase todos os países da Europa ocidental, é a elevada taxa de popularidade de que Vladimir Putin goza entre os russos. Parece difícil que o líder de um regime que começou com uma guerra (Chechénia), promoveu uma forte centralização, submeteu os principais meios de informação, reduziu a oposição à expressão mínima e que gere enormes recursos económicos, possa ter o apoio popular que as sondagens da opinião pública indicam para o presidente russo. No entanto, é um facto, Putin é verdadeiramente popular, e a maioria da população continua a ver nele o homem capaz de conduzir a Rússia a um destino de prosperidade e progresso, e de se colocar ao lado das grandes potências mundiais. Putin é um comunicador, uma pessoa capaz de impressionar positivamente os seus interlocutores, mostra-se decidido, sabe dar a entender que está por dentro das situações e que conhece o argumento de que está a falar. Os russos apreciam os que sabem assumir a autoridade e são capazes de tomar decisões. As experiências democráticas foram sinónimo de caos, de pobreza e às vezes de fome.

A liberdade de expressão é uma coisa que parece ser necessária só para uma pequena classe intelectual. Numa conversa recente com Alexei Venediktov, chefe de redacção da rádio Ecos de Moscovo, um dos poucos bastiões da Imprensa livre na Rússia, tocou-se no tema da defesa da liberdade de expressão que existia nos anos 90, e cujo início da supressão foi marcado pela mudança de propriedade da NTV, o canal privado de âmbito nacional, actualmente propriedade da companhia estatal Gazprom. “Na Rússia a liberdade de expressão era considerada um luxo. Podes ter ou não ter, é um prazer, mas é inútil. O problema principal é que o povo não precisa dessa liberdade de imprensa e por isso não vai lutar por ela. Ela foi dada por Gorbatchov e Ieltsin, e foi retirada por Putin”, afirma Venediktov, segundo o qual o povo nunca estaria disposto a sair à rua para defender a independência da NTV, a exemplo do que se passou em Praga. “Não lutaram nem derramaram sangue” para defenderem a liberdade de expressão, “foi uma coisa que por acaso nos apareceu nas mãos e, por acaso, foi retirada”. A lógica que explica a atitude perante o controle dos meios de comunicação estende-se também a outros domínios como os direitos humanos, o pluralismo partidário, etc. Foram dados “de cima” e foram retirados (parcialmente) da mesma forma. A maioria das pessoas acredita que os motivos porque esses direitos foram retirados têm razão de ser, que essas medidas foram feitas em nome dos objectivos que a elite política pretende atingir (uma Rússia forte e próspera), e acredita (ou faz um esforço para acreditar) que eles (governantes) sabem onde querem chegar.

            Durante os anos da sua presidência, Putin conseguiu puxar para o seu lado, por convicção ou interesse, uma grande quantidade de gente intelectualmente válida, profissionalmente competente e que (apesar disso) prefere agir, trabalhar e viver num sistema que não corresponde aos padrões democráticos dos países ocidentais. Para lá dessa faixa estreita, a maioria da população pensa sobretudo em termos do “bolso”, e nesse aspecto as coisas têm melhorado para a maioria das pessoas, que perdem pouco tempo a analisar se isso é mérito da boa governação ou dos preços altos do petróleo e do gás. Será que isso quer dizer que os bons princípios da democracia dos países ocidentais não se aplicam na Rússia? Os ideólogos do actual regime tentam de certa forma fazer passar essa ideia, mas há também muita gente que não aceita esse tipo de raciocínio e considera que a democracia poderia funcionar tão bem na Rússia como em qualquer outro país da Europa. No entanto, como ao contrário do que algumas pessoas nos pretendem convencer, a democracia não se pode exportar, o caminho a percorrer pela Rússia tem que ser ela mesma que o tem de encontrar. Até lá, parece estar satisfeita com o que tem, e as vozes que se levantam contra o sistema parecem não conseguir fazer muita mossa nos largos muros do Kremlin.


publicado por edguedes às 00:18
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 26 de Outubro de 2007
Moscovo

 

 

 

 



publicado por edguedes às 22:46
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 23 de Outubro de 2007
PARA COMEÇAR

A ideia de criar um blog não é muito original e não vale a pena tentar justificar-me por me ter metido em tal empresa. Para mim, a causa fundamental é que nas minhas andanças jornalísticas e pessoais pela Rússia vão havendo coisas que gostava de contar e que não arranjo espaço nem no JN nem no SOL. Há notícias que não têm cabimento nos jornais e há coisas que podem não ser notícia mas não deixam de poder ser interessantes para algumas pessoas. Além disso no blog ninguém me obriga a “cortar” um texto para “2220 caracteres no máximo”, o que é sempre uma tarefa penosa. Começa-se por cortar aquilo que se acha que é dispensável, depois o que parece que não se devia mas tem que ser, depois o que não se podia cortar mas não há outro remédio e no fim corta-se o que não se podia cortar em caso nenhum, mas doutra forma o artigo não cabe no espaço que o editor estabeleceu. Aqui a gente pode estender-se até onde a paciência der. A propósito de paciência devo confessar que quase cheguei às últimas gotinhas durante as primeiras tentativas de criar esta paginazinha. Primeiro era o registo que não me aceitava os dados sem explicar porquê. Até perceber que a culpa era dos meus telefones russos que não estavam concebidos para as regras do Sapo, passou-se quase uma hora (os números que lá ficaram não servem para nada). Depois perceber como é que se mudava a fotografia do cabeçalho da “template” (será que é “a” ou “o”?), e enfim tudo o resto que foi preciso até me decidir a tentar lá meter um texto. Sinceramente ainda não estou muito satisfeito com o aspecto que o blog tem, mas devo admitir que não sou muito perfeccionista. Com o tempo lá iremos.

            Não sei bem com que regularidade é que vou conseguir dar notícias, mas acho que o vício de escrever me vai continuar a pressionar, e até pode ser que haja alguém que leia. Para já tenho que experimentar se consigo meter este texto no “template” (agora vai no género masculino para equilibrar) e contemplar o resultado. As coisas mais sérias ficam para depois.



publicado por edguedes às 18:29
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

VICTOR HUGO PONTES NO "IN...

RÚSSIA E POLÓNIA DEPOIS D...

RE-START

"SHAKHIDKA"

AINDA ATENTADOS

METROPOLITANO DE MOSCOVO ...

METROPOLITANO DE MOSCOVO ...

METROPOLITANO DE MOSCOVO ...

RECOMEÇAR

ASSASSÍNIO DE SACERDOTE C...

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds