as coisas que conta um português que anda pela Rússia

Quinta-feira, 8 de Abril de 2010
RE-START

(texto que saíu na edição de papel do JN e não no "on-line")

 

PRIMAVERA DE PRAGA, NUCLEAR

Vai ser hoje assinado em Praga o novo acordo entre os EUA e a Rússia sobre redução de armamento nuclear estratégico (START). O acontecimento, já definido por alguns observadores com a “primavera nuclear de Praga”, impõe fortes reduções ao arsenal nuclear das duas principais potências e abre novas perspectivas no campo da não proliferação das armas nucleares. De acordo com o politólogo Vladimir Orlov, conselheiro do Ministério da Defesa da Rússia, “ não há vencidos neste acordo”, e adianta que a comunidade internacional também sai vencedora. “Abre as portas a ulteriores reduções do armamento nuclear, em grande escala, de todas as potências nucleares”, explica Orlov.

O novo acordo prevê um limite, de 1550 ogivas, enquanto os vectores, quer se tratem de mísseis balísticos intercontinentais, instalados em submarinos ou colocados em bombardeiros estratégicos, não podem ultrapassar os 700. Entrando em conta com os mísseis que não estão montados, o total não pode ir além de 800. Os acordos actuais limitam a 2200 as ogivas e a 1600 o número de mísseis.

No entanto, Moscovo anunciou que vai anexar ao acordo uma declaração unilateral, por causa das divergências com Washington sobre defesa anti-míssil (NMD). Se os EUA desenvolverem o NMD de forma a condicionar o potencial estratégico russo, a Rússia poderá renunciar ao acordo.

 

(outros comentários)

 

Evgueni Bujinski, que foi vice-chefe do departamento de acordos internacionais do Ministério da Defesa da Rússia, em resposta a uma minha pergunta sobre o conteúdo e a necessidade da prometida “declaração” russa, a anexar ao acordo de Praga:


...do ponto de vista do direito dos acordos, cada uma das partes tem o direito, se acha que no acordo não entrou alguma questão que consideram preocupante, cada uma das partes pode... (fazer uma declaração unilateral). Poderia haver uma declaração acordada, penso que destas vai haver uma dezena. Mas uma declaração acordada a respeito da Defesa anti-míssil não é possível, porque as nossas posições divergem das dos americanos. Na minha opinião, o que está no acordo, que cada uma das partes tem o direito de renunciar ao acordo se considerar que os seus interesses estão ameaçados, é suficiente. Mas para sublinhar ainda pode-se fazer uma declaração unilateral, no momento da assinatura. Não há nada de fora do comum nisto.




publicado por edguedes às 09:01
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

RE-START

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds