as coisas que conta um português que anda pela Rússia

Terça-feira, 13 de Janeiro de 2009
RUSSOS DE GAZA

 

 

 

Ramzi é neuro-cirurgião e formou-se na Rússia. Deixou Gaza no dia 3, quando a Rússia organizou um voo para repatriar cidadãos seus que viviam no território palestiniano. A mulher, russa, e os quatro filhos saíram através do território israelita. Ramzi saiu pelo Egipto porque estava convencido que a ele as forças israelitas não o deixavam passar. Agora, na Rússia, sem trabalho e sem casa, não sabe bem o que fazer. Em Gaza não havia condições para a família continuar a viver. Lamenta-se que em Gaza se vivia num “grande campo de concentração” donde não se podia sair, nem para realizar estudos que considerava indispensáveis para a sua profissão.

 

 

Como são as condições no Hospital em que trabalhava em Gaza?

Ramzi: No hospital há falta de camas mesmo em tempo de paz. Mesmo em tempo de paz quando se recebiam doentes – eu sou neuro-cirurgião, e cada dia cerca de 5 pessoas chegam com traumatismos cranianos – nós temos ao todo na neuro-cirurgia só 20 camas, e temos doentes com tumores cerebrais, e várias outras patologias, doenças da coluna vertebral, e as camas não são suficientes mesmo em tempo de paz. Quando chegam estes períodos terríveis, as coisas pioram muito. Bombardeiam as casas, dizem que mora lá uma certa pessoa e para matar essa pessoa, eles estão dispostos a fazer ir pelos ares o prédio inteiro de vários andares e morrem 16 pessoas, quase tudo crianças e mulheres. Houve uma altura em que trouxeram os feridos e eram só crianças e mulheres. Nessas alturas temos que pôr camas directamente na rua e sem fazer uma tomografia computorizada, passamos directamente à operação de abrir a cabeça para ver se há hemorragia. Não se encontra, fecha-se de novo. Não conseguimos fazer radiografias. Houve uma altura em que 16 morreram e os feridos eram mais de 100. Os neuro-cirurgiões são poucos, ao todo 4, e ajudam outros 4, como é que eles podiam observar 100 pessoas que chegam quase ao mesmo tempo? Depois não há luvas, nem algodão, nem outras coisas elementares. Às vezes abre-se o crânio e não se sabe como estancar a hemorragia, os aparelhos não funcionam, de maneira que se recorre às compressas, e volta-se a fechar durante três dias, para depois abrir para voltar a tirar tudo de novo, na esperança de conseguir parar a hemorragia. Os problemas são muitos, há falta de camas, de remédios, não há possibilidades de fazer tratamentos...


 


tags:

publicado por edguedes às 21:38
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

RUSSOS DE GAZA

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds