as coisas que conta um português que anda pela Rússia

Segunda-feira, 9 de Novembro de 2009
Vitali Ginzburg

 

Soube-se hoje da morte Vitali Ginzburg, prémio Nobel da Física em 2003, e um dos grandes expoentes da ciência do séc. XX. De nome conhecia-o desde os bancos da faculdade, pela teoria de Ginzburg-Landau, e por ser co-autor com o mesmo Lev Landau de alguns livros física. Pessoalmente conheci-o numa recepção da embaixada portuguesa em Moscovo, pouco depois de ele ter recebido o prémio Nobel. Alguns dias mais tarde aceitou dar-me uma entrevista para “O Independente”. Acrescento uma parte dessa mesma entrevista para recordar o cientista e o homem.

 

P.: Na URSS houve um grande desenvolvimento de alguma áreas científicas, por outro lado o poder restringia as liberdades e chegava a interferir no âmbito da própria ciência...

 

V.G.: É preciso ter em conta que havia situações muito diferente nos tempos soviéticos. Uma coisa era a física e outra a biologia. Até à altura da revolução os únicos russos que receberam o prémio Nobel eram dois biólogos, Pavlov e Mechnikov (Ivan Pavlov em 1904 e Ilya Mechnikov em 1908). Eu não sou biólogo mas posso citar nomes de grandes biólogos como Koltsov ou Vavilov. O que aconteceu a Nikolai Koltsov, se morreu ou se o envenenaram, não se sabe. Mas o que se passou com Nikolai Vavilov sabe-se. Ele era um botânico muito conhecido e morreu em na prisão em 1943. O que se passou ficou conhecido pela “lisenkovania”. Lisenko (Trofim Lisenko, biólogo soviético) foi um personagem que conseguiu entrar nas boas graças do poder de então, inicialmente com Estaline e depois com Khrushchov, e praticamente destruiu a biologia soviética. Em 1938 houve uma sessão em que Lisenko discursou, e alguns opuseram-se, mas depois ele fez saber que Estaline o apoiava, e os que se tinham agitado, foram perseguidos, e foi a biologia foi arrasada completamente. Só depois de ter sido deposto Khrushchov, em 1964, é que se começou a criar novamente a biologia soviética. Eu lembro-me que só em 1965 é que apareceu o primeiro artigo a criticar Lisenko. Com consequências menos graves foram atingidas foram outras áreas. A cosmologia também era considerada uma coisa negativa, a cibernética... Mas os físicos em geral não sofreram assim muito.

 

P.: Porque é que a física teve um tratamento diferente?

V.G.: Porque era necessário produzir armas. Houve, no entanto, a questão da mecânica quântica. Alguns afirmavam que a mecânica quântica estava em contradição com o materialismo dialéctico, e houve sérios problemas. Em 1949 havia intenções de fazer com a física a mesma coisa que tinha feito Lisenko com a biologia. Preparava-se uma reunião, e eu estava para ser uma da vítimas desse tempo, deviam liquidar-me. Não se sabe ao certo come se passaram as coisas, mas diz-se que Kurtchatov (Igor Kurtchatov, “pai” da bomba atómica russa) disse a Beria (Lavrenti Beria, então presidente do conselho de ministros) “sem a mecânica quântica não podemos produzir a bomba atómica”. Era antes da explosão da primeira bomba. A reunião foi suspensa sem se saber porquê, o que significa que houve uma intervenção directa de Estaline. Beria teria afirmado que “o que nós precisamos é da bomba”, e Estaline cancelou a reunião. O facto de a física se ter desenvolvido entre nós, assim como a matemática, e um pouco menos a química e as outras ciências, foi porque de uma forma significativa eram necessárias para a corrida aos armamentos.

 

P. : O prof. Ginzburg que relações teve com outros físicos famosos como por exemplo Lev Landau ou Andrey Sakharov?

V.G.: Eu considero meus mestres Igor Tamm e Lev Landau. Na minha “Lição Nobel”, eu sublinhei a minha satisfação pelo facto de que também eles tinham já sido prémios Nobel (Tamm em 1958 e Landau em 1962). Com eles eu estive muito ligado. Com Igor Tamm eu estive ligado ainda por motivos de organização, dado que eu era o seu vice, e depois quando ele morreu, em 1971, tornei-me chefe do departamento que ele dirigia. Com Landau não havia uma ligação formal. Eu frequentava os seminários que ele dava, e considero-o um dos meus mestres. No que respeita a Sakharov, ele em 1945 trabalhava no nosso departamento. Depois ele foi para o “local dos trabalhos” (laboratório ligado à construção da bomba atómica em Sarov), mas voltou em 1949, e até 1971, eu era formalmente o seu chefe. Fui visitá-lo a Gorki quando ele foi exilado, e recusei-me a assinar a carta em que ele era criticado. O projecto da bomba termonuclear (bomba de hidrogénio) era baseado em duas ideias, uma de Sakharov e a outra minha. Mas a mim não me mandaram para o “local dos trabalhos”, porque a minha mulher tinha sido perseguida e exilada.

 

P. O prémio Nobel foi-lhe atribuído pela teoria fenomenológica que explica a Supercondutividade e a Superfluidez...

V.G.: A questão da supercondutividade e da superfluidez é um assunto de que me ocupo já desde 1943, por isso difundiu-se a ideia de que se trata de um trabalho com mais de 50 anos, o que em parte é verdade, mas eu continuo a interessar-me por esse argumento, e o meu último trabalho sobre supercondutividade data de 1997. No entanto, a parte mais importante do trabalho foi o artigo escrito em conjunto com Landau, que foi publicado em 1950, e que ficou conhecido como a teoria de Ginzburg-Landau. 



publicado por edguedes às 21:33
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Vitali Ginzburg

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds