as coisas que conta um português que anda pela Rússia

Terça-feira, 7 de Outubro de 2008
ANNA POLITKOVSKAIA. DOIS ANOS DEPOIS

 

 

Passaram-se dois anos desde que Anna Politkovskaia foi assassinada à saída do elevador da sua casa. Hoje houve uma manifestação na praça Puchkin, em Moscovo, para recordar a jornalista e para sublinhar que há quem queira ver os resultados das investigações da polícia. Pensei em passar por lá, em sinal de homenagem a Anna Politkovskaia. Chovia e estava à espera de que houvesse muito pouca gente. Mesmo assim haveria umas 300 pessoas na praça. Polícias eram certamente muito mais. Entre as pessoas que tomaram a palavra havia colegas, defensores dos direitos humanos e alguns políticos, estes todos da área liberal, que quase perdeu completamente a expressão (Mikhail Kassianov, Boris Nemtsov, Garry Kasparov, Leonid Gozman). Acabei por ficar até ao fim. A coisa que achei mais interessante foi uma antecipação de um filme sobre Politkovskaia. O resto das informações novas já tinha saído na “Novaia Gazeta” onde a Anna trabalhava.

            Saiu uma entrevista com o investigador principal que tem estado a seguir o caso, Petros Garibian, do Comité de Investigação da Procuradoria-Geral da Rússia, em que se precisa alguns pontos. O caso foi enviado para tribunal e o processo poderá ter início no próximo dia 15 no Tribunal Militar do Círculo de Moscovo. Garibian explicou que foi parar a um tribunal militar porque há um dos figurantes, o tenente-coronel Riaguzov, que é do FSB (Serviço Federal de Segurança). Há o risco de o caso vir a ser um julgamento à porta fechada, dado que há documentos “secretos” que dizem respeito a Riaguzov e a Khadjikurbanov, este ex-agente da Direcção de Investigação Central para o Combate ao Crime Organizado. Segundo Garibian, não há provas de que Riaguzov esteja ligado ao assassínio de Politkovskaia, mas Khadjikurbanov é acusado de ser o organizador. Ambos figuram como réus num outro caso, de extorsão, por isso, os dois crimes ficaram ligados num único processo...

            Garibian afirma que o quadro de como as coisas se passaram está relativamente claro. Os quatro figurantes que são acusados de envolvimento directo no crime são Serguei Khadjikurbanov e os irmãos Makhmudov, mais precisamente Djabrail, Ibraguim e Rustav, originários da Chechénia. Rustav seria o autor dos disparos, enquanto os outros dois irmãos ajudaram a seguir a vítima e informaram o “killer”. Rustav Makhmudov anda a monte, não se sabe onde. Garibian disse à Novaia Gazeta, que mesmo que soubesse onde ele estava não o diria. Consta que ele conseguiu fugir para fora da Rússia quando algumas informações sobre o andamento das investigações “escaparam” para os jornais. Segundo Garibian, o crime foi ensaiado previamente, e as imagens das video-câmaras de segurança mostraram que uma vez o assassino deu de caras com Anna Politkovskaia ao abrir a porta da entrada do prédio. O investigador é da opinião de que os três que estão presos, assim como o executor do crime, agiram simplesmente por dinheiro, por isso ainda falta a parte mais importante das investigações, que é descobrir quem encomendou o crime. Quanto a saber coisas dos que já estão presos, considera que é muito difícil. “Acha possível que irmãos, de etnia chechena, possam testemunhar uns contra os outros?”, replicou Garibian à pergunta do jornalista, sobre a disponibilidade dos detidos a colaborar com as investigações. No entanto, o investigador afirma que as investigações não pararam e que o processo teve de avançar com as acusações contra os que já estavam detidos, para respeitar os tempos previstos pela lei russa. “Nós ainda estamos a trabalhar em toda a cadeia (de factos). Ainda vão ser chamadas à responsabilidade outras pessoas, se nós conseguirmos descobrir e provar a sua culpa. Tudo isso será num processo à parte”, refere Garibian.

            No entanto, os familiares e colegas de Anna Politkovskaia insistem no facto de que o processo deve ser aberto. Há muitos precedentes da justiça russa em que a transparência não é a nota dominante, e um processo à porta fechada é meio caminho andado para não se chegar a saber quem é que estava por detrás do assassínio de Anna Politkovskaia.

 



publicado por edguedes às 16:32
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 18 de Junho de 2008
CASO POLITKOVSKAIA: INVESTIGAÇÃO CONCLUÍDA

A Comissão de Investigação da Procuradoria da Rússia anunciou hoje (18.06), através do seu representante Vladimir Markin, que está concluída a investigação do caso do assassínio da jornalista Anna Politkovskaia, abatida a 7 de Outubro de 2006, com dois tiros, à entrada do prédio onde habitava. Agora o caso vai ser entregue ao tribunal. Na Rússia, os observadores debatem o que é que isso quer dizer. Encontraram os organizadores e executores do crime, ou não? Infelizmente a reposta parece ser “não”. As autoridades têm na cadeia alguns suspeitos, mas são suspeitos provavelmente de terem tido alguma participação no crime, mas sobre os organizadores não se diz nada e o executor, ao que parece já identificado, encontra-se em “parte incerta”.
            Os primeiros resultados das investigações foram anunciados em Agosto do ano passado, pelo procurador geral, Iuri Tchaika. Na altura foram feitas11 detenções, mas alguns dos suspeitos foram postos em liberdade poucos dias depois. Na altura, a família e os colegas de Anna Politkovskaia exprimiram o seu descontentamento pelas declarações do procurador, dado que aquelas notícias poderiam ter o efeito de um sinal de alarme para os culpados. Neste momento, estão detidos três suspeitos de envolvimento no assassínio da jornalista: Serguei Khadjikurbanov, Ibraguim Makhmudov e Djabrail Makhmudov. Os dois Makhmudov são irmãos do suposto executor do assassinato, Rustam Makhmudov. Detido está ainda um oficial do FSB, Pavel Riaguzov, que era suspeito de ter fornecido aos executores a morada de Anna Politkovskaia, directamente das bases de dados dos serviços secretos. No entanto, conforme adiantou Markin, Riaguzov vai comparecer em tribunal, mas para responder por outras acusações, ou seja, por abuso de autoridade e extorsão, relacionados com outros crimes, em parceria com Khadjikurbanov. Há pouco mais de dez dias tinha sido posto em liberdade Chamil Buraiev, ex-administrador da cidade chechena de Atchkhoi-Martan. Na altura da sua detenção fora apontado como um possível organizador. Na base da acusação estava um telefonema com Pavel Riaguzov, no mesmo dia em que este teria acedido à base de dados do FSB, de onde teria obtido o endereço da jornalista. A julgar pelas decisões da Comissão de Investigação da Procuradoria, as autoridades têm na mão apenas três suspeitos e não os mais importantes.
 
            Dmitri Muratov, chefe da redacção da Novaia Gazeta, onde trabalhava Anna Politkovskaia, considera que é cedo para afirmar que o caso está desvendado. “Nós consideramos que as investigações estão no caminho certo. Muito foi feito, mas não se pode interpretar isso como que as investigações chegaram ao fim e que o crime está desvendado. O assassino encontra-se em liberdade e não está determinado quem encomendou o crime”, declarou ontem Muratov à agência Interfax. O chefe de redacção da Novaia Gazeta chamou ainda a atenção para as fugas de informação que se verificaram nalguns momentos do processo e que possibilitaram ao executor evitar a detenção. “Em relação às pessoas que permitiram essas fugas de informação, devido às quais o assassino se encontra em liberdade e a identidade do que encomendou o crime desconhecida, não se iniciaram processos crime”, sublinhou Muratov.
            Na opinião de Iulia Latinina, colega de Anna Politkovskaia na Novaia Gazeta, as autoridades satisfizeram a sua curiosidade e o caso já não vai muito para além. Na opinião desta jornalista, Putin ficou de facto surpreendido com o assassínio de Politkovskaia e quis saber de onde tinha partido a iniciativa se “do seu pé direito ou do calcanhar esquerdo”. Por outras palavras Latinina afirma que por detrás da organização podiam estar ou o FSB ou o actual presidente da Chechénia, Ramzan Kadirov. As investigações apontam para oficiais e agentes do FSB.

            Segundo a versão de Iulia Latinina, a encomenda de eliminar Anna Politkovakaia teria recebido um certo Lom-Ali Gaitukaiev, tio do tal Buraiev que recentemente foi posto em liberdade. Gaitukaiev seria uma “autoridade” (tipo “padrinho”, na linguagem da mafia siciliana) do crime organizado, mas com estreitas relações com o FSB. Gaitukaiev entretanto foi preso por via de um outro caso, e daí o telefonema do oficial do FSB, Pavel Riaguzov, a Chamil Buraiev, depois de ter obtido o endereço de Anna Politkovskaia na base de dados do FSB. Iulia Latinina teme que no tribunal as coisas não se vão esclarecer, porque as autoridades já tiveram as informações que pretendiam e não têm interesse em ir mais longe. Segundo a jornalista, uma demonstração disso foram as tais fugas de informação, que permitiram ao executor de se pôr a salvo, e aos organizadores de permanecerem na sombra. Veremos se Latinina, que é frequentemente muito radical nas afirmações que faz, vai ter razão. Entretanto, temos que admitir que para investigações concluídas, a informação não é muita.



publicado por edguedes às 15:06
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

ANNA POLITKOVSKAIA. DOIS ...

CASO POLITKOVSKAIA: INVES...

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds